skip to Main Content
Especialistas em cibersegurança codando em computadores.

O que é cibersegurança e o que o tema envolve?

Cada dia mais, a internet se torna parte da vida das pessoas. Os debates sobre metaverso são frequentes. Segundo pesquisas, passamos mais de 10 horas por dia online, seja por dispositivos móveis ou por computadores.  

Nesse sentido, lei, palavras e comportamentos surgem do contato com inovações. É o caso da selfie, por exemplo, e do conceito que responde à pergunta “o que é cibersegurança?”. Também conhecido como “segurança cibernética”, o termo é uma das grandes tendências para quem trabalha com tecnologia e, evidentemente, para quem a usa. 

Cibersegurança consiste em uma série de práticas com foco em proteger computadores, servidores, sistemas eletrônicos, celulares, redes e informações (pessoais e profissionais) contra ameaças e ataques cibernéticos. 

De acordo com a Isto É, o Brasil é o quinto o país que mais sofre ataques virtuais, como violação de dados e crimes cibernéticos. Dessa forma, desenvolver uma infraestrutura de segurança com diversas práticas de proteção é fundamental para quem trabalha na área de tecnologia. 

Homem codando em um notebook, com camisa jeans.
Conhecer as práticas de cibersegurança é extremamente importante para quem é da área de tecnologia.

Ao mesmo tempo, a demanda por profissionais de cibersegurança tende a crescer, colocando a área e o tema como grandes tendências para o mercado nos próximos anos. 

Compreender tudo sobre cibersegurança requer, inclusive, bastante pesquisa. O tema é vasto e continuará se desenvolvendo junto do ambiente virtual. Neste texto, você confere mais sobre o assunto, é só seguir a leitura! 

Questões legais sobre cibersegurança 

Por focar majoritariamente na proteção digital contra ataques cibernéticos de informações que estão circulando no meio virtual, a cibersegurança possui leis que amparam as melhores práticas. 

No Brasil, temos algumas legislações com foco em segurança cibernética. É o caso da Lei 12.965, de abril de 2014, que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para uso da internet em solo nacional. 

Além dela, temos o decreto nº 9.637, de dezembro de 2018 – o qual institui a política de segurança da informação no Brasil – e o nº 10. 222, de fevereiro de 2020 – o qual define a estratégia nacional de cibersegurança e que, inclusive, foi proposto no documento anterior (de 2018). 

Mesa de trabalho com notebooks, celulares, café, fone de ouvido e outros itens eletrônicos.
As leis para uso de internet e de softwares no Brasil garantem a segurança de todos os usuários.

A Lei Geral de Proteção de Dados é outro documentado que foca na proteção de dados das pessoas na internet. Em vigor desde 2018, ela possui uma série de boas práticas que devem ser seguidas pelos usuários. 

Os crimes cibernéticos, ou seja, comportamentos mal intencionados, por sua vez, são dispostos no Código Penal. São eles: 

Artigo 154-A 

Artigo que define como crime a invasão de dispositivos alheios, estejam eles conectados a uma rede de computadores ou não, com objetivo de coletar, adulterar ou até destruir dados sem autorização da pessoa.  

Instalar softwares com foco de ter vantagem ilícita desses indivíduos também é entendido como crime. A pena pode variar entre três meses e dois anos de detenção, além de multa. 

Artigo 313-A 

Este artigo foca em banco de dados públicos e define crime a inserção ou a facilitação de informações falsas nesses bancos, assim como a alteração e a exclusão das verdadeiras. A pena varia entre dois a doze meses de detenção e multa. 

Artigo 313-B 

Se o artigo 313-A foca em redes de administração pública, este embarca o restante dos softwares. Quem modifica ou altera sistemas de informação e programas sem autorização ou solicitação de alguma pessoa considerada autoridade competente pode pegar de três meses a dois anos de detenção, assim como multa. 

Dupla de trabalho conversando sobre um código exibido na tela do computador.
Proteger softwares contra invasão é uma forma de garantir a aderência ao artigo 313-B.

É válido citar que, com o uso cada vez mais frequente da internet e da tecnologia para diversos contextos (pessoal, profissional etc.), novas leis, artigos, decretos e disposições podem surgir.  

Categorias da cibersegurança 

Quando falamos de cibersegurança, existem ramificações e categorias que permitem implementar diferentes técnicas para proteção de dados e diminuição de ataques virtuais. Conheça-as! 

Segurança de rede 

Implica na proteção de toda uma rede de computadores contra intrusos, sejam pessoas ou malware. 

Segurança de aplicativos 

Consiste em manter softwares e dispositivos que rodam o programa protegidos, para que o armazenamento de dados não seja vazado ou comprometido. Nesse caso, desde o início do desenvolvimento, a segurança precisa ser foco com diferentes práticas. 

Segurança de informações 

Equipe de trabalho codando e notebooks, juntos à mesa, rindo e conversando.
Manter a segurança da informação no meio online e offline é fundamental para evitar problemas.

São práticas voltadas à proteção e à privacidade dos dados em diferentes contextos, como aqueles registrados em arquivos, estejam eles armazenados ou em trânsito, sendo compartilhados. 

Segurança operacional 

São práticas por trás da operação que garantem a proteção de arquivos. Como exemplo, podemos citar o controle de quem pode acessar, comentar e editar determinado item. 

Qual a importância de zelar pela cibersegurança? 

A cibersegurança é o que garante que determinado software é seguro e pode ser usado sem grandes riscos de vazamento de dados ou de malefícios ao usuário e ao dispositivo. 

Homem conversando com mulher à mesa de trabalho, com notebooks na frente deles.
A cibersegurança garante que as pessoas usem softwares sem risco.

Imagine que, durante o desenvolvimento de um aplicativo, as medidas de segurança cibernética não sejam tomadas desde o início. Isso pode implicar no vazamento de informações pessoas – no caso de e-commerce, por exemplo, dados financeiros dos usuários – e, com essa ação, a empresa pode ter um prejuízo gigantesco e até fechar as portas. 

Por isso, cibersegurança é uma pauta que deve ser estudada por toda pessoas que trabalha na área de tecnologia. Não se trata do profissional responsável garanti-la, mas sim toda as pessoas envolvidas no desenvolvimento. 

Os profissionais de cibersegurança 

Com o alto número de ataques virtuais e o desenvolvimento do meio digital, a segurança cibernética é uma área destaque para quem trabalha com tecnologia.  

Existem diversas pessoas que podem trabalhar nessa área, como o engenheiro de cibersegurança, e elas focam suas atividades em desenvolver um software seguro por meio de testes e de ferramentas. 

Além disso, elas podem monitorar sistemas antigos, para garantir que eles estão atualizados e de acordo com as práticas mais recentes de segurança cibernética. 

Diferença entre segurança da informação e cibersegurança 

Por mais que parecidos, os termos são diferentes um do outro e possuem seus próprios conceitos. Como citado, cibersegurança se trata da proteção de dados virtuais contra ameaças, roubos de informação e outros crimes. 

Já segurança da informação é uma palavra mais ampla, que não precisa, necessariamente, estar inserida no ambiente virtual. Ela garante a proteção do transporte de dados em meio digital ou não. 

Por mais que não seja uma novidade, a cibersegurança é um assunto que continuará sendo muito debatido nos próximos anos. Se capacitar para conhecer sobre o assunto é uma excelente maneira de já se colocar à frente no mercado. 

Gostou deste artigo? Então clique na imagem abaixo e assine a newsletter do Grupo DB1 e receba mais conteúdos exclusivos no e-mail! 

Clique para assinar a newsletter do Grupo DB1.

Compartilhe:

This Post Has 0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back To Top